Arrendar a turistas

Arrendar a turistas

ARRENDAMENTO: ORGANIZE UM HOTEL NO SEU IMÓVEL

DATA DA PUBLICAÇÃO: 18SET2013

Uma alternativa, que começa a ter cada vez mais deptos, é o arrendamento de curta duração, vocacionado para clientes que estão de passagem pela zona do seu imóvel (turistas, pessoas em viagens de negócio) e que preferem apartamentos a hotéis. Esta modalidade tem algumas vantagens, entre as quais se destaca o rendimento potencial: o pagamento da diária normalmente é superior ao valor das rendas mensais (ajustadas ao dia) e o risco de incumprimento é menor. No entanto, obriga a ter uma estrutura mínima, que pode incluir alguém responsável pelo serviço de limpeza e alguém que seja responsável pela manutenção do equipamento e da estrutura do imóvel.

O número de proprietários a aderir aos contratos de curto prazo está a crescer. No início de setembro, o número de imóveis nacionais disponíveis no sítio na Internet HomeAway, um dos mais populares entre os cibernautas, ultrapassa os 10 mil. O Algarve absorvia mais de metade dos anúncios, seguido da região de Lisboa e da Costa da Prata. Um anúncio no HomeAway custa no mínimo 146 euros por ano.

No Housetrip, não custa anunciar, mas ao preço cobrado acresce uma comissão entre 10% e 20%. Na Airbnb, a comissão é repartida entre proprietários (3%) e  arrendatários (6% a 12%).

Para poder arrendar uma propriedade em regime de curta duração é necessário registar o imóvel como estabelecimento de alojamento local. Isto é feito através de uma comunicação prévia dirigida ao presidente da câmara municipal em que se localiza o imóvel, juntamente com comprovativo de que é proprietário, da planta do imóvel e de termos de responsabilidade relativo às instalações elétricas, de gás e termoacumuladores.

A comunicação prévia, o respetivo comprovativo, e o pagamento de taxas (se houver) permitem a abertura provisória de alojamento, que passa a definitiva se passar na vistoria da câmara, a realizar, preferencialmente, no prazo de 60 dias. A vistoria incide sobre requisitos genéricos (por exemplo, o edifício encontra-se bem conservado no exterior e, no interior, está ligado a uma rede de abastecimento de água, tem esgotos, janelas com comunicação para o exterior, mobiliário, equipamento e utensílios), de higiene (ter serviços de arrumação e limpeza que incluem a mudança de toalhas e roupa de cama no mínimo uma vez por semana e sempre que ocorrer uma alteração de ocupante) e de segurança (extintores, equipamento de primeiros socorros, manual de instrução dos equipamentos eletrónicos e indicação de Número Nacional de Emergência, vulgo 112). É também necessário possuir livro de reclamações.